Ipea divulga estudo sobre a violência no Brasil

Publicado em Estudos
Lido 237 vezes

Segundo publicação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2015 o Brasil registrou 59.080 homicídios, o equivalente a 28,9 mortes a cada 100 mil habitantes. Os números representam uma mudança de patamar nesse indicador em relação a 2005, data do último levantamento, quando ocorreram 48.136 homicídios. As informações estão no Atlas da Violência 2017, produzido pelo Ipea em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) publicado nessa segunda-feira (05/06).

O estudo apresenta, dentre outros números, as taxas de homicídio no país entre os anos de 2005 e 2015 e detalha os dados por regiões, por unidades da Federação e por municípios com mais de 100 mil habitantes. Em 2015, verificou-se que 2% dos 557 municípios brasileiros com população superior a 100 mil habitantes respondiam por metade dos casos de homicídio no país, e que 10% desses grandes municípios concentraram 76,5% do total de mortes. Segundo os dados da publicação, os estados que mostraram crescimento de mais de 100% nas taxas de homicídio no período analisado estão em sua maioria localizados nas regiões Norte e Nordeste.

O estado do Rio Grande do Norte apresentou um crescimento de 232%. A taxa de homicídios em 2005 era de 13,5 para cada 100 mil habitantes. Já em 2015, esse número passou para 44,9. Logo em seguida estão Sergipe, com crescimento de 134,7%, e Maranhão, com 130,5%. Por sua vez, os estados de Pernambuco e Espírito Santo reduziram suas taxas de homicídios em 20% e 21,5%, respectivamente. Na região Sudeste, São Paulo apresentou uma queda de 44,3% (de 21,9 para 12,2), e o Rio de Janeiro, um redução de 36,4% (de 48,2 para 30,6).

Homicídios

No Brasil, entre os anos de 2005 e 2015, mais de 318 mil jovens foram assassinados, de acordo com o estudo. Somente em 2015, 31.264 pessoas, com idades entre 15 e 29 anos, foram vítimas de homicídios, uma redução de 3,3% na taxa em relação ao ano de 2014. No que diz respeito às unidades da Federação, é possível observar uma grande desproporção, pois enquanto em São Paulo houve uma redução de 49,4%, nesses onze anos abrangidos pelo estudo, no Rio Grande do Norte o aumento da taxa de homicídios de jovens foi de 292,3%.

Mais de 92% dos homicídios acometem principalmente os homens jovens. Somente em Alagoas e em Sergipe a taxa de homicídios nessa parcela da população atingiu, respectivamente, 233 e 230,4 mortes por 100 mil em 2015. Ainda segundo os dados do estudo, pessoas negras possuem 23,5% mais chances de serem assassinadas em relação aos brasileiros de outras raças, já deduzido o efeito da idade, da escolaridade, do sexo, do estado civil e do bairro de residência.

Clique aqui para ler na íntegra o texto.

Última modificação em Terça, 06 Junho 2017 18:44
Graciete Brito

Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, e pós-graduada em Assessoria de Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC. Foi estagiária em veículos como Revista Foco, Jornal da Comunidade, TV NBR e jornalista com atuação em assessoria de imprensa de entidade sindical e agência de marketing.

 

Estamos no Facebook