Candido Mariano da Silva Rondon: Relatório da Comissão

Candido Mariano da Silva Rondon: Relatório da Comissão Candido Mariano da Silva Rondon: Relatório da Comissão
Publicado em Publicações
Lido 389 vezes

O Estado de Mato Grosso, ao longo de sua história, revelou nomes de grandes personagens, nas mais diversas áreas. Nomes que transcenderam a grandeza do Estado e se tornaram personalidades importantes no cenário brasileiro. A Fundação Ivete Vargas, que tem primado pela publicação de documentos históricos e doutrinários sobre a evolução política do País, entendeu a necessidade de reproduzir uma parte do trabalho de um talento mato-grossense posto a serviço das causas do povo brasileiro e da defesa do Estado. Estamos falando do Marechal Candido Mariano da Silva Rondon, o homem que promoveu uma das maiores obras de integração nacional já vistas na história do Brasil, o militar que estabeleceu um novo patamar nas relações entre brancos e indígenas, que contribuiu também para o reconhecimento e mapeamento de grandes áreas ainda inóspitas no interior do país, e que plantou as bases da integração da Amazônia.

Rondon nasceu em Mimoso (MT) no dia cinco de maio de 1865. Descendente, por parte de mãe, dos índios terenas e bororo, e por parte de pai, dos índios guanás, logo ficou órfão, sendo criado pelo avô. Depois da morte de seu avô, transferiu-se para o Rio de Janeiro e ingressou na Escola Militar. Ainda estudante, participou dos movimentos abolicionista e republicano e foi aluno de Benjamin Constant. Depois de se formar bacharel em Ciências Físicas e Naturais e tornar-se tenente, em 1890, foi transferido para o setor do Exército que implantava linhas telegráficas pelo País.

Em 1907, o ainda Major Cândido Rondon foi nomeado chefe da comissão que construiu a linha telegráfica entre Cuiabá e Santo Antônio da Madeira, a primeira a alcançar a região amazônica. Posteriormente, por sua bravura, a jornada foi batizada de “Comissão Rondon”. A Comissão Rondon teve seus trabalhos desenvolvidos entre 1907 e 1915. Somente na primeira etapa, entre os meses de setembro e novembro de 1907, a expedição percorreu 1.781 quilômetros entre a capital mato-grossense e o rio Juruena, preconizando o heroísmo de Rondon.

No seu esforço de integração nacional, desbravou mais de 50 mil quilômetros de sertão e estendeu mais de 2 mil quilômetros de fios de cobre pelas regiões do país, ligando as mais longínquas paragens brasileiras pela comunicação do telégrafo. Entre os anos de 1913 e 1914, Rondon acompanhou e orientou o ex-presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt na sua expedição ao Amazonas, sendo depois laureado com o Prêmio Livingstone, concedido pela Sociedade de Geografia de Nova Iorque. O Marechal Rondon também foi o líder da expedição Roncador-Xingu, patrocinada pelo governo Vargas, em 1943, com o objetivo de desbravar o Centro-Oeste brasileiro. Pela obra que empreendeu, foi celebrado pelo mundo inteiro como o “marechal da paz”, o defensor dos índios. Para o Presidente Roosevelt, o Marechal Rondon empreendeu a última epopeia da humanidade, digna de registro e comemoração. Seu reconhecimento internacional levou Rondon a ser indicado para o prêmio Nobel da Paz, pelo renomado cientista Albert Einstein.

Em homenagem a este grande brasileiro, que em sua vida expedicionária percorreu milhares de quilômetros pelos sertões, rios, florestas, serras, planaltos, montanhas e rios para elaborar as primeiras cartas geográficas do nosso interior, é que oferecemos a vocês o primeiro relatório dos trabalhos da Comissão Rondon. A fim de disponibilizar esta obra rara, restrita a poucos, a Fundação Ivete Vargas empenhou-se em reproduzir fielmente os trabalhos da Comissão Rondon, com a edição deste relatório que preserva o conteúdo, as imagens, a grafia e a estética da obra original.

Cada povo tem os seus heróis, e nós, sem dúvida, os temos, e entre eles está o marechal Candido Mariano Rondon. Desejamos, portanto, uma boa leitura e que todos possam ter o prazer de conhecer um pouco mais do trabalho inesquecível deste grande herói brasileiro.

Leia e baixe o livro na íntegra clicando aqui.

Francisco Galindo

É empresário e político nascido em Martinópolis/SP. Foi deputado estadual pelo MT e prefeito de Cuiabá de 2010 a 2012. Atualmente é presidente do diretório estadual do PTB no Mato Grosso e da Fundação Ivete Vargas.

Estamos no Facebook