Curso:
setembro 26, 2022
Ciência Estudos Noticias Pesquisas

Estudo mostra que crianças têm baixa taxa de transmissão de Covid

Um estudo de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Universidade da Califórnia (UCLA) e da London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM), cuja prévia foi divulgada nesta segunda-feira (10/05), indicou que crianças e adolescentes mais frequentemente são infectados por adultos do que transmitem coronavírus a esses. No estudo, os pesquisadores chegam à conclusão que as descobertas sugerem que em cenários como o estudado, escolas e creches podem reabrir, com a verificação se as medidas de segurança contra a Covid-19 estão sendo tomadas e os profissionais adequadamente imunizados.

Intitulado a "A dinâmica da infecção de Sars-CoV-2 em crianças e contatos domiciliares em uma comunidade pobre do Rio de Janeiro", a ser publicado na "Pediatrics, Official Journal of the American Academy of Pediatrics", o estudo analisou 667 participantes em 259 domicílios, entre maio a setembro de 2020, sendo 323 crianças (de 0 a 13 anos), 54 adolescentes (14 a 19 anos) e 290 adultos. Quarenta e cinco crianças (13,9%) testaram positivo para o vírus, e a infecção foi mais frequente naquelas com menos de 1 ano e na faixa de 11 a 13 anos. 

A pesquisa acompanhou crianças com menos de 14 anos que buscaram atendimento no Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz), em Manguinhos. Elas foram submetidas a testes de PCR e de sorologia (IgG), assim como adultos e adolescentes que residiam com elas. 

“Inferimos que se a transmissão do Sars-CoV-2 fosse principalmente de adultos e adolescentes para crianças, aquelas com PCR positivo teriam tido contato com um adulto ou adolescente com anticorpos IgG positivos para Sars-CoV-2 ou uma história clínica anterior sugestiva de Covid-19. Além disso, avaliamos o momento do pico da prevalência de Sars-CoV-2 IgG em crianças vs. adultos e adolescentes. Nossa hipótese é que se a transmissão fosse principalmente de adultos e adolescentes para crianças, o pico de prevalência de IgG em adultos e adolescentes ocorreria antes do pico de prevalência de IgG em crianças”, diz o artigo, em citação no site da Fiocruz. “As crianças incluídas no estudo não parecem ser a fonte da infecção de Sars-CoV-2 e mais frequentemente adquiriram o vírus de adultos", continua o texto.

No entanto, os próprios autores chamam atenção para o fato de que os resultados são referentes ao local e período estudado (maio a setembro de 2020), diferente do cenário atual da pandemia no Brasil e no mundo, com novas variantes mais transmissíveis. Além disso, a pesquisa destaca que o período de sua realização coincidiu com o fechamento das escolas. “Os adultos podem ter sido os propagadores mais importantes porque continuaram a trabalhar fora de casa, continuamente expostos nos transportes e locais de trabalho”, diz o artigo.

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Porn xnxx porno brasil Porno Italiano porno
Fundação Ivete Vargas